Psoríase das unhas? 

 

 

A psoríase das unhas tem um efeito significativo na qualidade de vida? 

 

A psoríase das unhas pode levar à incapacidade funcional porque os doentes podem ter dificuldade em pegar nos objectos, pois as suas unhas estão muito espessas e descoladas do sabugo. As pessoas que têm trabalhos manuais correm o risco de causar mais lesões nas unhas. O contacto com agentes irritantes e a água pode originar o crescimento de fungos. A natureza desagradável da psoríase das unhas causa também angústia aos doentes, e com razão, porque as mãos, tal como acontece com a cara, são muito importantes nas relações interpessoais. As nossas mãos permitem-nos comunicar com outras pessoas e tocá-las.

 

Um estudo da ALCP (Associação da Luta Contra a Psoríase) demonstrou que é causado um desconforto significativo aos doentes devido ao impacto na capacidade de execução de tarefas manuais e do seu aspecto desagradável. Este impacto é proporcional ao local e à extensão das lesões. Os doentes normalmente não gostam de mostrar as suas mãos e tendem a escondê-las. O simples acto de apertar a mão a alguém é problemático. As pessoas cujas profissões dependem do contacto com o público têm dificuldade em tolerar que as pessoas olhem para as suas mãos. Por estas razões, a psoríase das unhas tem um impacto muito profundo na qualidade de vida do doente, podendo alguns deles ser muito insistentes com o dermatologista no sentido deste encontrar uma terapia que erradique as suas lesões. Alguns doentes dizem que têm mais problemas com as lesões nas suas unhas (particularmente nas mãos) do que com as lesões nas outras partes do corpo. 

 

 

Existem vários graus de severidade da psoríase das unhas?  

 

Existem diversas variantes superficiais da psoríase das unhas, nas quais as unhas podem descolar-se parcialmente do sabugo e podendo, ou não, ficar descoloradas. Existem também variantes mais graves, nas quais a unha pode tornar-se muito mais espessa (hiperqueratose) e descolar-se totalmente do sabugo (onicosquise). Algumas variantes mais graves podem igualmente afectar a pele dos dedos. Este é o caso na acropolpite seca, que causa lesões nas extremidades dos dedos e inflamação contínua, ou na acrodermite de Hallopeau (na qual as lesões são pustulares) e que causa a queda definitiva da unha.

 

Para avaliar a gravidade de psoríase das unhas existe uma escala denominada NAPSI, que é equivalente à escala PASI utilizada para as lesões cutâneas. A NAPSI é essencialmente utilizada durante os ensaios clínicos. A psoríase das unhas não envolve necessariamente as unhas em todos os dedos das mãos e dos pés, já que por vezes as lesões podem apresentar-se apenas numa unha. Isto significa que pode ser muito difícil avaliar a gravidade da lesão, porque as unhas são afectadas em diferentes extensões.

 

 

Quais são os principais tratamentos para a psoríase das unhas? 

 

Não existem actualmente tratamentos verdadeiramente eficazes para a psoríase das unhas. Os doentes precisam de ser motivados, porque os tratamento podem levar três ou quatros meses até os resultados serem visíveis. Durante os dois ou três primeiros meses de tratamento não há uma melhoria significativa, visto que as unhas levam dois meses até voltarem a crescer. O médico deve sempre confirmar com o doentes que as lesões não são uma resposta a um trauma na mão, pulso ou nervos que o doente sofreu. É também muito importante que o doentes não se coce excessivamente. Se necessário, o médico deve prescrever uma radiografia da mão para eliminar a possibilidade de artrite.

 

Relativamente à terapia, o médico irá por vezes recomendar compostos à base de ureia, para amaciar as unhas demasiado espessas, e verniz, para as suavizar. Também podem ser usadas loções ou geles tópicos corticosteróides e de derivados de vitamina A. Em alguns casos, a injecção de cortisona na matriz da unha melhoras as lesões, mas este procedimento é normalmente muito doloroso e aumenta o risco de infecção. Se várias unhas estão afectadas e estiverem presentes lesões noutras partes do corpo, o médico irá por vezes recomendar tratamentos sistémicos, em particular derivados da vitamina A e metotrexato. Os tratamentos com lâmpadas intermitentes e lasers de excímero estão presentemente em fase de ensaios clínicos. Por último, novas terapias biológicas são excepcionalmente usadas em casos de psoríase da unhas. 

 

 

Qual é a melhor maneira de cuidar das minhas unhas?

 
É complicado tratar das unhas enfraquecidas pela psoríase. É preferível a utilização de um corta-unhas em vez da tesoura. Preste particular atenção às extremidades das unhas dos pés, pois estas podem perfurar a pele e disseminar a inflamação.
Mantenha as suas unhas curtas, porque as unhas compridas são mais vulneráveis a infecções.
Pode usar verniz ou unhas falsas para esconder as unhas problemáticas até que estas voltem a crescer normalmente.
Deve igualmente manter as suas unhas muito limpas, porque o pequeno espaço na extremidade do dedo, entre a pele e a superfície interna da unha, pode alojar fungos ou bactérias. O acto de coçar também pode transferir bactérias de outras partes do corpo para as unhas. Um creme com uma fórmula especial pode evitar ou tratar as infecções ungueais.

 

Pontos chave

  • A psoríase das unhas pode levar a dificuldades funcionais e pode ser muito desagradável.
  • Não afecta necessariamente todos os dedos das mãos e dos pés. Pode ser apenas afectada uma única unha.
  • Não existem actualmente tratamentos verdadeiramente eficazes para a psoríase das unhas.
  • No entanto, encontram-se disponíveis vários fármacos de administração tópica e oral.

 

Mais informações sobre a psoríase das unhas


* In Pso magazine, no.88, September 2005

 

 

 

Enviar a um amigo Imprimir Voltar ao início Adicionar aos favoritos Limitação de responsabilidade
Søgaard & Co. - Mere web for pengene